A solidariedade desponta como importante aliada social na luta contra o coronavírus

Desde a implementação das medidas de isolamento social por todo o Brasil, seguindo as determinações da Organização Mundial de Saúde (OMS), uma série de ações de solidariedade contagiaram o país. As iniciativas sociais mobilizam pessoas e instituições com o intuito de arrecadar bens de consumo essenciais, auxiliar pessoas em vulnerabilidade de rua, idosos, além da disponibilização de atendimento psicológico.

Em Teresina, por exemplo, a Prefeitura lançou o programa “Teresina Solidária”, como uma ação emergencial voltada aos trabalhadores autônomos que suspenderam o ofício seguindo ordens de combate ao novo coronavírus. O plano solidário se propôs a mobilizar a população objetivando a fazer doações de gênero alimentício e cestas básicas.

De acordo com o psicólogo Paulo Natanael, integrante do grupo Psicólogos de Plantão, o momento atual é diferente de tudo o que já vivemos. “Apesar de todo esse contexto, acompanhamos também atitudes manifestadas por pessoas que se sensibilizam com a situação e são movidas pela solidariedade e empatia. Pessoas que aprenderam ao longo de suas histórias de vida a serem empáticas, se colocando no lugar do outro e fazendo o que está ao seu alcance para ajudar o próximo; pessoas que entendem que o momento pede união de forças para que juntos consigamos enfrentar tudo isso”, afirmou.

É nesse sentido que o Núcleo de Pesquisa em Jornalismo e Comunicação (NUJOC-UFPI) desenvolveu a iniciativa NUJOC Solidariedade. A ação realiza o intermédio em quem precisa de ajuda com aqueles que podem ajudar, disponibilizando apoio psicológico e a doação de bens de consumo essenciais. Desde o lançamento, o NUJOC Solidariedade já atendeu pessoas nas cidades de Altos, Teresina e no povoado Mimbó em Amarante (PI), assim como nas cidades de Aparecida de Goiânia (GO) e Santa Maria (RS).

Mayara, moradora do povoado Mimbó em Amarante, relata com gratificação ter sido contemplada pela ação do NUJOC Solidariedade. “Eu fiquei muito grata ao receber uma cesta básica, me ajudou bastante. Foi de muita provisão aqui dentro de casa”, pontuou.

Os interessados em ajudar podem doar diretamente para as pessoas que precisam, por meio de transferência bancária (mais informações no nosso site). Além do envio de cestas básicas, através de supermercados ou mercadinhos. Um dos nossos anjos, que preferiu não revelar o nome, ressaltou que o desejo em ajudar veio ao se preocupar com as famílias carentes nesse momento de crise. “Eu pensei sobre as famílias que têm que sair de casa para garantir o mínimo, pessoas que têm inúmeros desafios diários. Então, eu senti essa necessidade de garantir uma ajuda para uma família nessa época de pandemia”, disse.

Ainda segundo o psicólogo Paulo Natanael, os estudos sobre Felicidade revelam que atos de bondade produzem mais felicidade que outros momentos considerados “prazerosas” (tomar um sorvete, ver um filme etc). “Nós não somos uma ilha. Não vivemos isolados do mundo. Muito pelo contrário, somos seres da coletividade, portanto, precisamos uns dos outros”, finalizou.